Google+ Followers

Igreja Evangélica Congregacional de Vila Mury

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

AVIVAMENTO




Avivamento pode produzir barulho, mas não é nisso que ele consiste. O fator essencial é a obediência de todo o coração.


Vendo por este prisma, podemos constatar que nos dias de hoje o que mais necessitamos, é de homens e mulheres que sejam verdadeiramente regenerados em Cristo e sendo vivificados e edificados a cada dia.
Nunca se produziu tanto fogo de palha como nos nossos dias, os “crentes ou cristãos”, que se nomeiam entre nós, fazem muito barulho, porem para muitos destes, falta a experiência de novo nascimento.
Sabendo primeiro isto, que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências,” II João 3.3
Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.
Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,
Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela… II Tim 3.1-5. Muitas pessoas se impressionam com os movimentos agitados e pensam que aí está a vida de Deus. Animação nunca significou que isto representa a operação do Espírito Santo. É verdade que as pessoas motivadas pelo Espírito de Deus são entusiasmadas e vigorosas. Há um estímulo encantador no progresso da vida cristã genuína. Mas, não podemos misturar animação com avivamento.
Somente uma experiência genuína de morte e ressurreição pode fazer de cada um de nós, homens e mulheres avivados para a obra de Deus aqui nesta terra. No avivamento não é a alma que está no comando. O velho homem é motivado por sua alma, por isso, ele fica animado ou mesmo desanimado, dependendo dos estímulos. Mas o novo homem é acionado pela vida do Espírito de Deus no seu espírito vivificado. Deus, por meio de Jesus Cristo, justifica os pecadores, perdoando-lhes os seus pecados, e pela graça os regenera, dando-lhes vida em seu espírito. A nova criatura, gerada pela graça de Deus, mediante a ressurreição de Jesus Cristo, ganha um espírito vivificado que passa a viver sob o comando do Espírito Santo. Ele vos vivificou, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados. E estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos). Efésios 2:1e5. Deus nos vivifica em Cristo para vivermos a vida avivada pela graça. Avivamento é, pois, a vida de Cristo dada a nós, depois de termos perdido a nossa vida na cruz, juntamente com Ele. Se um morreu por todos, logo todos morreram, e Ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. 2 Coríntios 5:14b-15. Mortos para o pecado em Cristo, ganhamos a vida no espírito.
O avivamento bíblico é o esvaziamento da vida animada da alma rebelde, na cruz com Cristo, e a doação da vida inspirada pela graça, na ressurreição de Cristo.
Neste ponto todos os regenerados passam a viver pela suficiência do poder vivificador do Espírito Santo. E, se o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dos mortos ressuscitou a Cristo Jesus há de vivificar também os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita. Romanos 8:11.
A presença do Espírito de Deus em nosso espírito nos capacita a viver a vida de Filhos de Deus. É nisto que consiste o avivamento da Bíblia.
O avivamento sustentado pelas Escrituras não é um mero movimento de bonecos animados ou a energia das almas ativadas, mas é a vida santa de Deus concedida pela graça de Cristo no poder do Espírito Santo.
Edwin Orr disse que a melhor definição de avivamento é “tempos de refrigério… na presença de Senhor. Muitos confundem tempos de refrigério com tempos de refrigerante. Isto quer dizer: Tempos de boa vida.
É viver uma vida isenta de tribulações e com o maior progresso material. Mas avivamento no conceito bíblico não apela para esta ideia esquisita.
Avivamento é um povo que se levanta para enfrentar as circunstâncias mais adversas, pois, agora que ficou cheio da vida de Cristo está capacitado para desenvolver a missão de Cristo na terra.Assim, quando o Senhor aviva a sua Igreja ela se torna operante sem ser ativista; vigorosa sem ser meramente animada; sonora sem ser barulhenta; piedosa sem ostentação, vivendo os tempos de refrigério, sem o menor comodismo.
Deste modo, o avivamento não é uma invenção terrena; é uma criação celestial. É um produto Divino no novo homem.
“O teu povo oferece-se voluntariamente no dia do teu poder; ” (Sociedade Bíblica Britânica) Salmo 110:3
Bendito seja Deus de graça porque assim seja! Ele tem um povo que elegeu desde tempos antigos para que fosse sua porção particular. Estes, por natureza, têm vontades tão teimosas como o resto dos desviados filhos de Adão; porem, quando chega o dia do seu poder, e a graça mostra sua onipotência, então estão dispostos a arrependerem-se e crer em Jesus.
Então será que estamos dispostos a ser, a fazer e a sofrer como queira o Senhor?  Se em qualquer momento nos voltarmos rebeldes, Ele só tem que vir a nós com poder, e de imediato caminhamos de todo coração na via de Seus mandamentos. Que nestes dias de meditação na Palavra de Deus, sejam dias de poder para nós, no que diz respeito a capacitação de Deus em nós para glória dEle.
Que a nossa oração possa expressar, Senhor, estamos dispostos; cumpra-se em nós o teu poder. Estamos inteiramente a Tua disposição; dispostos, sim, ávidos de sermos usados por Ti para Teus santos propósitos. Oh, Senhor, dai-nos poder conforme Tu também nos dás o querer.
De sorte que, meus amados, assim como sempre obedecestes, não só na minha presença, mas muito mais agora na minha ausência, assim também operai a vossa salvação com temor e tremor;
Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade.
Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas;
Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo;…  Filipenses 2.12-16

blog do pr wagner de salles

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

PASTOR DE PORCOS




“Era uma vez um bom pastor de ovelhas que tinha poucas ovelhas e, cansado de ver seu aprisco tão vazio, tinha pressa em aumentar o rebanho. Ele sabia que podia cuidar muito bem de uma quantidade maior de ovelhas, mas, não havia ovelhas disponíveis para adquirir naquela região. Foi quando alguém o convenceu de uma estranha teoria: - "Se você ensinar um porco a viver como ovelha, com o tempo, ele se torna uma ovelha".  Então, o pastor de ovelhas passou também a cuidar de porcos. No começo ele quase desistiu, mas, como era um sujeito determinado, insistiu.  Brigou. Bateu. Pediu. Implorou. Motivou. Desafiou. Presenteou. Reforçou o comportamento positivo. Premiou. Mas, aqueles bichos eram realmente rebeldes e sempre insistiam em voltar para a lama logo após o banho diário que ele lhes dava. O pastor tinha que ficar à porta do mangueirão com um pedaço de pau batendo no lombo dos bichos para os obrigar a ir pastar os pastos verdejantes e a beber as águas tranqüilas junto com as ovelhas: - “Agora vocês não são mais porcos, dizia ele, agora vocês são ovelhas; comportem-se como tal”. Sem perceber, passou a dedicar a maior parte do seu tempo tentando manter os bichos na linha. E as ovelhas acabaram ficando em segundo plano. Sem cuidados pastorais, estressadas com a companhia dos porcos que viviam a perturbá-las, elas deixaram de se
alimentar e de se reproduzir e, aos poucos, foram se acabando. O pastor de ovelhas  transformara-se em pastor de  porcos. Acabou desistindo de ensinar aos porcos o  comportamento que se espera de uma ovelha e fazia de conta que não estava vendo seu "redil" chafurdado na sujeira.”
A Bíblia nos leva a entender que dois tipos de pessoas caminham juntos na jornada cristã: um é aquele que verdadeiramente nasceu de novo, que é chamado de “nova criatura” (II Coríntios 5:17) e o outro é aquele que apenas teve uma mudança exterior, só mudando de religião, sendo chamado de “porca lavada” (II Pedro 2:22). Apesar de não termos direito de julgar ninguém, pois somente o Senhor conhece o coração, as pessoas acabam revelando quem são em suas atitudes: - Em relação à vida espiritual, a porca lavada valoriza as coisas exteriores, como a aparência e a opinião dos outros, enquanto a nova criatura valoriza o interior, a consciência e o conteúdo; - Em relação ao pecado, a porca lavada tem saudade do passado, namora as tentações e peca se ninguém estiver vendo, enquanto a nova criatura tem nojo do pecado, foge das tentações e sabe que Deus está vendo tudo; - Em relação à perseverança na fé, a nova criatura vive pelo que crê, completa a carreira e é fiel até à morte, enquanto a porca lavada retrocede e volta ao lamaçal.  Porco nunca será ovelha, a não ser que sua natureza seja transformada por um poder superior. Foi  isto que Jesus quis dizer a Nicodemos, em João 3, quando falou: “importa-vos nascer de novo”! Nós também  precisamos nascer de novo, reconhecendo a Jesus Cristo como Senhor e Salvador de nossas vidas...

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

AVIVAMENTO



Avivamento pode produzir barulho, mas não é nisso que ele consiste. O fator essencial é a obediência de todo o coração.


Vendo por este prisma, podemos constatar que nos dias de hoje o que mais necessitamos, é de homens e mulheres que sejam verdadeiramente regenerados em Cristo e sendo vivificados e edificados a cada dia.
Nunca se produziu tanto fogo de palha como nos nossos dias, os “crentes ou cristãos”, que se nomeiam entre nós, fazem muito barulho, porem para muitos destes, falta a experiência de novo nascimento.
Sabendo primeiro isto, que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências,” II João 3.3
Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.
Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,
Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela… II Tim 3.1-5. Muitas pessoas se impressionam com os movimentos agitados e pensam que aí está a vida de Deus. Animação nunca significou que isto representa a operação do Espírito Santo. É verdade que as pessoas motivadas pelo Espírito de Deus são entusiasmadas e vigorosas. Há um estímulo encantador no progresso da vida cristã genuína. Mas, não podemos misturar animação com avivamento.
Somente uma experiência genuína de morte e ressurreição pode fazer de cada um de nós, homens e mulheres avivados para a obra de Deus aqui nesta terra. No avivamento não é a alma que está no comando. O velho homem é motivado por sua alma, por isso, ele fica animado ou mesmo desanimado, dependendo dos estímulos. Mas o novo homem é acionado pela vida do Espírito de Deus no seu espírito vivificado. Deus, por meio de Jesus Cristo, justifica os pecadores, perdoando-lhes os seus pecados, e pela graça os regenera, dando-lhes vida em seu espírito. A nova criatura, gerada pela graça de Deus, mediante a ressurreição de Jesus Cristo, ganha um espírito vivificado que passa a viver sob o comando do Espírito Santo. Ele vos vivificou, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados. E estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos). Efésios 2:1e5. Deus nos vivifica em Cristo para vivermos a vida avivada pela graça. Avivamento é, pois, a vida de Cristo dada a nós, depois de termos perdido a nossa vida na cruz, juntamente com Ele. Se um morreu por todos, logo todos morreram, e Ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. 2 Coríntios 5:14b-15. Mortos para o pecado em Cristo, ganhamos a vida no espírito.
O avivamento bíblico é o esvaziamento da vida animada da alma rebelde, na cruz com Cristo, e a doação da vida inspirada pela graça, na ressurreição de Cristo.
Neste ponto todos os regenerados passam a viver pela suficiência do poder vivificador do Espírito Santo. E, se o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dos mortos ressuscitou a Cristo Jesus há de vivificar também os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita. Romanos 8:11.
A presença do Espírito de Deus em nosso espírito nos capacita a viver a vida de Filhos de Deus. É nisto que consiste o avivamento da Bíblia.
O avivamento sustentado pelas Escrituras não é um mero movimento de bonecos animados ou a energia das almas ativadas, mas é a vida santa de Deus concedida pela graça de Cristo no poder do Espírito Santo.
Edwin Orr disse que a melhor definição de avivamento é “tempos de refrigério… na presença de Senhor. Muitos confundem tempos de refrigério com tempos de refrigerante. Isto quer dizer: Tempos de boa vida.
É viver uma vida isenta de tribulações e com o maior progresso material. Mas avivamento no conceito bíblico não apela para esta ideia esquisita.
Avivamento é um povo que se levanta para enfrentar as circunstâncias mais adversas, pois, agora que ficou cheio da vida de Cristo está capacitado para desenvolver a missão de Cristo na terra.Assim, quando o Senhor aviva a sua Igreja ela se torna operante sem ser ativista; vigorosa sem ser meramente animada; sonora sem ser barulhenta; piedosa sem ostentação, vivendo os tempos de refrigério, sem o menor comodismo.
Deste modo, o avivamento não é uma invenção terrena; é uma criação celestial. É um produto Divino no novo homem.
“O teu povo oferece-se voluntariamente no dia do teu poder; ” (Sociedade Bíblica Britânica) Salmo 110:3
Bendito seja Deus de graça porque assim seja! Ele tem um povo que elegeu desde tempos antigos para que fosse sua porção particular. Estes, por natureza, têm vontades tão teimosas como o resto dos desviados filhos de Adão; porem, quando chega o dia do seu poder, e a graça mostra sua onipotência, então estão dispostos a arrependerem-se e crer em Jesus.
Então será que estamos dispostos a ser, a fazer e a sofrer como queira o Senhor?  Se em qualquer momento nos voltarmos rebeldes, Ele só tem que vir a nós com poder, e de imediato caminhamos de todo coração na via de Seus mandamentos. Que nestes dias de meditação na Palavra de Deus, sejam dias de poder para nós, no que diz respeito a capacitação de Deus em nós para glória dEle.
Que a nossa oração possa expressar, Senhor, estamos dispostos; cumpra-se em nós o teu poder. Estamos inteiramente a Tua disposição; dispostos, sim, ávidos de sermos usados por Ti para Teus santos propósitos. Oh, Senhor, dai-nos poder conforme Tu também nos dás o querer.
De sorte que, meus amados, assim como sempre obedecestes, não só na minha presença, mas muito mais agora na minha ausência, assim também operai a vossa salvação com temor e tremor;
Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade.
Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas;
Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo;…  Filipenses 2.12-16

blog do pr wagner de salles

QUAL É O CAMINHO?



Um dia, um bezerro precisou atravessar a floresta virgem para voltar a seu pasto. Sendo animal irracional, abriu uma trilha tortuosa, cheia de curvas, subindo e descendo colinas... No dia seguinte, um cão que passava por ali, farejou essa mesma trilha torta para atravessar a floresta. Depois foi a vez de um carneiro, líder de um reba-nho, que fez seus companheiros segui-rem pela trilha torta. Mais tarde, os homens começaram a usar esse cami-nho: entravam e saíam, viravam à di-reita, à esquerda, abaixando-se, des-viando-se de obstáculos, reclamando e praguejando, até com um pouco de razão... Mas não faziam nada para mudar a trilha. Depois de tanto uso, a trilha acabou virando uma estradinha onde os pobres animais se cansavam sob cargas pesadas, sendo obrigados a percorrer em três horas uma distância que poderia ser vencida em, no máxi-mo, uma hora, caso a trilha não tives-se sido aberta por um bezerro. Muitos anos se passaram e a estradinha tor-nou-se a rua principal de um vilarejo, e posteriormente a avenida principal de uma cidade. Logo, a avenida transfor-mou-se no centro de uma grande me-trópole, e por ela passaram a transitar diariamente milhares de pessoas, se-guindo a mesma trilha torta feita pelo bezerro centenas de anos antes... 
Os homens têm a tendência de seguir como cegos por trilhas feitas por outras pessoas sem se pergunta-rem se há ou não outras opções. Quantos até hoje se gabam em dizer: meu avô foi assim, meu pai foi assim, e eu também sou assim! Não se atrevem a procurar um caminho novo... A propósito, qual é o seu caminho??? 



RESPONDEU JESUS: EU SOU O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA. NINGUÉM VEM AO PAI, A NÃO SER POR MIM JOÃO 14:6

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

VOCÊ É ESPECIAL

Mamãe estava muito concentrada fazendo o almoço de Domingo, quando papai convidou-me para ir com ele comprar guaraná. 
Saímos com duas sacolas cheias de vasilhames. Eu estava ficando animado, pois estávamos chegando perto do bar. Para minha surpresa, ele passou direto, sem parar, parecendo não ter visto o bar. 
Então perguntei:
- Pai, você não vai comprar aqui? 
E ele respondeu:
- Vamos mais adiante. 
Seguimos mais alguns metros e chegamos perto da padaria, que fica bem em frente a adega. Fiquei intrigado quando tranqüilamente ele seguiu em frente como se não tivesse visto nem uma nem outra. 
Tornei a perguntar:
- Pai, nós não vamos pegar os refrigerantes aqui? 
Pacientemente, respondeu-me:
- Só mais um pouquinho e nós vamos chegar ao mercado. 
Confesso que estava ficando chateado e bravo, pois tínhamos passado por três lugares diferentes que vendiam guaraná e o meu pai quis andar mais só para comprá-los ali. 
Ao entrarmos no mercadinho, Sr. Silva nos deu um sorriso muito gostoso e espontâneo. A primeira coisa que perguntou foi se a mamãe havia melhorado do resfriado. 
Prestativamente foi pegando nossas sacolas e colocando nelas os refrigerantes. Meu pai quis saber notícias da mulher dele, dona Maria. Foi informado de que ela estava arrumando a casa e preparando o almoço, pois o domingo era o único dia da semana em que não trabalhavam o dia todo. Os dois conversaram mais um pouco e então pude observar a amizade e o carinho que respeitosamente tinham um pelo outro. 
Ao despedirem-se, Sr. Silva fez um gesto carinhoso na minha cabeça, olhou-me com ternura e comentou com meu pai:
- Como está bonito este garoto! Você deve ter muito orgulho dele! 
Saímos do mercadinho e voltamos para casa. No caminho comecei a pensar e responder no lugar do meu pai à pergunta que eu mesmo havia lhe feito enquanto íamos. O preço daquele refrigerante era mais ou menos igual em qualquer um dos lugares, só que ali, naquele mercadinho, tanto eu quanto meu pai sentimo-nos reconhecidos como seres individuais, pessoas distintas e diferentes do mundo. 
Naquele domingo aprendi uma lição especial; igual em conteúdo, em rótulo e em tampinha só mesmo o guaraná. 
Eu sou alguém especial, tenho minha individualidade e devo valorizar-me por isso, fazendo a mesma coisa com as outras pessoas. Isto é muito legal e faz com que nos sintamos muito bem.

Não devam nada a ninguém, a não ser o amor de uns pelos outros, pois aquele que ama seu próximo tem cumprido a lei
Romanos 13:8
A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei.
Romanos 13:8