Google+ Followers

Igreja Evangélica Congregacional de Vila Mury

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

CRISTÃO COMPROMETIDO



Há muito tempo, no oriente próximo, um jovem de conduta afável, filho de um carpinteiro de Nazaré, iniciou um ministério itinerante, e com uma mensagem desafiadora, em pouco tempo logrou subverter as classes mais humildes do território de Israel. Em seus discursos, falava sobre justiça social, reforma religiosa, compromisso ético e espiritualidade. Falava também na inauguração de um reino que, embora futuro, já se fazia presente no meio daquela gente.
No entanto, apesar da relevância dos temas, o tema mais maravilhoso (e escandaloso!) abordado pelo jovem rabi diz respeito à abolição da lei como meio de aproximação de Deus. Ele oferecia a promessa de perdão, amor, bondade e favor divino às pessoas que definitivamente não mereciam. Realmente o discurso daquele rabi era muito estranho, de modo que despertou não só a atenção das autoridades da época, como também muito os preocupou. Ele chegou a afirmar que o Templo (sim, justo o templo!) dos judeus seria derrubado e que em Jerusalém não ficaria pedra sobre pedra. Ao ouvir isso, os lideres religiosos decidiram que já não podiam tolerar as ideias revolucionárias daquele jovem; ele se tornara um inimigo da religião, e era um perigo para o culto institucionalizado. Por fim, planejaram matá-lo. 
Creio que o leitor conhece a história acima e sabe de quem estou falando. Porém, me chama a atenção o fato de que Jesus enfrentou os líderes religiosos e ganhou deles o ódio justamente por apresentar oposição a um sistema institucionalizado que queria ter o monopólio sobre Deus. Ele era considerado revolucionário porque dizia que não era em Jerusalém o local onde se deve adorar, mas em espírito e em verdade. Ele sofria retaliação porque dizia que não era necessário guardar centenas de ordenanças para encontrar a Deus. A suma da lei era: Ama a Deus e ama o teu próximo. Ele descomplicou as coisas para nós. Ele tornou tudo mais simples!
Há em nossos dias uma tendência a complicar tudo aquilo que Jesus simplificou, e adotar tudo aquilo que Ele aboliu. Não contentes com a graça barata, com a graça de graça, os homens desejam comprar de Deus o favor, mediante sacrifícios financeiros, comércio de objetos sagrados e até mesmo horas de oração em montanhas “sagradas”. Imitam a saga dos profetas do Antigo Testamento e esquecem-se que os apóstolos trilharam um caminho muito melhor!
Até a própria igreja (templo) tem se transformado em objeto de idolatria e tem deixado de ser um meio para tornar-se um fim em si mesma. Aliás, cristianismo hoje em dia está relacionado principalmente com aquelas duas horas de culto semanal. Chamamos isso de comunhão: Quem vai na igreja, está em comunhão; quem não compareceu no templo, não teve comunhão. Ora, isso é ridículo! Cristianismo não é somente uma vida dentro de quatro paredes, é um serviço no mundo. É envolver-se com pessoas num relacionamento sadio, no qual o caráter de Cristo pode perfeitamente transparecer nas nossas atitudes. Isso é adoração. Isso é culto a Deus e comunhão com Ele e com o próximo.
Cristianismo transcende a cultura e não é limitado pelos costumes humanos, é uma proposta transcultural.
A verdade é que nos distanciamos tanto daquela proposta de Cristo e vagamos tão distantes da fé primitiva que qualquer um que quiser, em semelhança aos apóstolos e profetas do passado denunciar os abusos cometidos pelos sacerdotes corruptos, sofrerá retaliações. 
Há mais de dois mil anos aquele jovem rabi, filho de carpinteiro, morreu crucificado. Hoje, aqueles que dizem ser seus seguidores, crucificam os seus ideais. A graça é banida, o Reino esquecido, a justiça social esquecida, e a religião é usada como um meio de enriquecer os espertos e alimentar a avareza dos ignorantes. Não obstante, haverá um dia em que o rabi voltará, e julgará a cada um conforme as suas obras. Portanto, avalie o homem a si mesmo, aplaine seus caminhos, saia de dentro do armário e assuma o seu papel no corpo de Cristo.
Não podemos ser cristãos apenas de títulos; precisamos ser discípulos em obra e em verdade.
ouvi a pouco tempo uma ilustração sobre ser cristão e ser "cristão": ou você muda de nome ou muda de vida, seja um cristão verdadeiro.
O REINO DE DEUS É MUITO MAIOR QUE OS NOSSOS INTERESSES.
SEJAMOS UM NO SENHOR, PARA QUE O MUNDO VEJA CRISTO EM NÓS 

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

157 anos evangelizando o Brasil




Neste mês de agosto os congregacionais estão em festa. Estamos comemorando 157 anos desde a chegada de Robert Kalley e sua esposa Sarah Kalley ao Brasil. São 157 anos de evangelismo pátrio.
Nosso blog estará prestando algumas homenagens ao nome do missionário, que desbravou de forma inteligente o país. Um país onde o catolicismo romano era absoluto, e não permitia a entrada de outra religião. Nosso homenageado, embora não esteja mais entre nós, deve ser lembrado com honras pelo seu trabalho, que permitiu que a fé evangélica pudesse ser introduzida no país, mesmo com risco da própria vida e da sua esposa.
Transcrevemos abaixo um trecho do livro: ROBERT REID KALLEY Médico, Missionário e Profeta, do historiador Douglas Nassif Cardoso:
“O mundo de língua portuguesa deve a Robert Reid Kalley sua inserção no universo protestante. É impossível tentar compreender o protestantismo no Brasil sem passar pelo médico e missionário escocês que influenciou a evangelização, o culto e a hinologia da maior parte das denominações do país. Sua missão foi marcada por três vocações: a de médico, que priorizava o atendimento aos pobres; a de missionário, que atuava na zona de fronteira entre a fé e a incredulidade; e a de profeta, que desafiava o monopólio religioso do catolicismo romano.
Quando veio para o Brasil, em meados do século XIX, Kalley instalou uma igreja genuinamente nacional, sem modelo prévio. Seu pensamento, produto da reflexão pessoal sobre o texto que considerava como normativo – a Bíblia –, e não segundo manuais ou declarações de fé, expressava liberdade de escolha e criatividade. O sentido indenominacional do ministério de Kalley, tão próximo das igrejas novas de nosso tempo, levou-o à propagação da fé, independente da instituição eclesiástica e de quaisquer matrizes externas.”
Os evangélicos ultrapassaram a marca de 20% da população brasileira é o que apontam as últimas estatísticas.
Quando pensamos sobre isso e, lembrando que ao ser colonizado o país foi dominado pela Igreja de Roma, tendo sido declarado que a fé católica romana seria a religião oficial do Brasil, podemos, realmente, nos alegrarmos com a notícia, ainda mais, com a perspectiva de até 2020 alcançarmos a marca de 50% da população.
Entretanto, não podemos esquecer dos homens que lutaram bravamente em defesa da fé evangélica, do evangelho puro e verdadeiro, de um Cristo que não se encontrava mais cravado na cruz, nem distante. Mas, do Cristo Vivo e presente. Onde duas ou três ou mais pessoas estiverem falando sobre Ele temos a certeza de que Ele estará presente. De um Cristo que é o único e suficiente Salvador, e que não precisamos de outro mediador entre nós e Deus, que não seja o Senhor Jesus.
Ao fazer memória desses desbravadores citamos o nome do pioneiro entre eles, que foi o escocês Robert Reid Kalley. Abaixo transcrevemos um trecho do livro: JORNADA NO IMPÉRIO - Vida e obra do Dr. Kalley no Brasil de William B. Forsyth:
"Dr. Robert Kalley era chamado por seus opositores de "Herege leitor da Bíblia", "Lobo em meio às ovelhas" - Lobo da Escócia. Mas, isso não o intimidava, e ele seguia com aquele que deve ser "O grande objetivo de todo cristão": A pregação da verdade do evangelho para a salvação das almas. "O cristão deve viver por isso, e, se preciso, morrer por isso". Assim, através da pregação do Dr. Kalley, o Brasil foi finalmente apresentado à Cruz de Cristo. Dr. Kalley era conhecido por ser humilde e manso de coração, quando seus interesses pessoais eram ameaçados; mas se transformava num verdadeiro leão, quando os interesses do Senhor e seu Reino estavam em jogo."
AGRADECEMOS A DEUS POR PODER FAZER PARTE DA HISTÓRIA DO BRASIL FAZENDO COM QUE O EVANGELHO TRANSFORMADOR ALCANCE ESTA NAÇÃO 
texto blog jorrandoagualimpa.blogspot.com adaptado por Àdamo

terça-feira, 7 de agosto de 2012

feche a estrada.



Vamos supor que você encontrava um negócio que não dava para resistir. O dono de um engenho de mil hectares quer vender a propriedade dele por 10,000 reais. Ele só quer ficar com um hectare no meio daquela propriedade em nome dele. O resto será seu. Parece um negócio que não dava para resistir. Você se junta com alguns parentes, todo mundo contribuindo uma parte, todo mundo entrando com sua poupança. Daí, depois de fechar o negócio você descobre a má notícia. Pela lei, o proprietário daquele um hectare no meio dos seus mil hectares tem direito a cortar uma estrada através da sua propriedade para chegar à dele. E, você não pode fazer nada. Ou seja, você é dono de uma grande propriedade, só que ela é cortada pelo meio pela estrada do antigo dono para chegar aquele um hectare dele.
A mesma coisa acontece conosco na tentação. Escapamos da mão de Satanás e entramos em Cristo. Só que, deixamos o inimigo continuar como dono de um pedacinho no meio do nosso coração. E, aos poucos, toda semana, às vezes até todo dia, ele passa para lá. Começa com um trilho que mal dá para ver. Daí, com tempo vira uma estrada de barro. Com o passar do tempo, é uma pista dupla pavimentada. Satanás vai cortando nosso coração pelo meio para chegar àquele pequeno pedaço que um dia deixamos nas mãos dele.
Você deixou algum pedaço do seu coração nas mãos de Satanás? Ou, você entregou tudo a Jesus? Pela lei dos homens, aquele pedaço é do dono até ele decidir vender. No mundo espiritual, com Jesus, o bom é que você pode ter de volta aquele pedaço hoje mesmo. Você pode tomar a decisão agora mesmo – “Eu quero meu coração de volta. Eu quero ele todinho, puro e inteiro, somente para Jesus. Não quero ninguém cortando, pisando e sujando meu coração.” Quer seu coração de volta? Entregue ele a Jesus e peça para ele enchê-lo do Espírito Santo. Só Jesus consegue lhe dar seu coração puro e inteiro e cheio do melhor de tudo que Deus tem para você.

Dar-vos-ei coração novo, e porei dentro em vós espirito novo;tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne.
Ezequiel 36:26