Google+ Followers

Igreja Evangélica Congregacional de Vila Mury

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

reino dividido não prospera.

 
Jesus estava expulsando um demônio que era mudo. Quando o
demônio saiu, o mudo falou, e a multidão ficou admirada. Mas alguns
deles disseram: “É por Belzebu, o príncipe dos demônios, que ele
expulsa demônios”. Outros o punham à prova, pedindo-lhe um sinal do
céu. Jesus, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: “Todo reino
dividido contra si mesmo será arruinado, e uma casa dividida contra
si mesma cairá. Se Satanás está dividido contra si mesmo, como o
seu reino pode subsistir? Digo isso porque vocês estão dizendo que
expulso demônios por Belzebu."
                                                                                         Lucas 11:14-18
 
Reflexão:
   Não foi o “ex-mudo”, muito menos o demônio expelido que acusou
Jesus de operar milagres pelo poder de Satanás. Se tivessem falado,
teriam testemunhado a glória de Jesus. Quem falou foram homens que
viram Jesus realizando milagres que o povo admirava. O interesse
daqueles homens não era nem a verdade nem a cura – era a atenção do
povo. Foi por isso que eles reagiram. Quando nós reagimos contra
algo, na igreja ou no ministério de um irmão, qual o nosso
verdadeiro motivo? Como Jesus disse, uma casa dividida contra si
cairá. Isso é verdade tanto em relação às obras do maligno, como às
obras da luz. Quando Cristãos brigam, se dividem e estragam o
trabalho de outros servos do Senhor, só há um resultado - um reino
dividido. Jesus alertou contra falsos profetas e obras (Mt 7:15-16;
24:4-5). É preciso provar os espíritos (1 João 4:1). Mas, tomemos
cuidado para que nosso combate seja contra o inimigo e não contra
nossos irmãos e verdadeiros companheiros na guerra espiritual. E
oremos para que nossos motivos no combate sejam sempre puros. Se um
ou outro cresce ou se torna mais popular, pouco importa, desde que
a glória seja para Jesus.

hermeneutica

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

ACREDITE






Jesus os advertiu severamente que não contassem isso a ninguém.
E disse: “É necessário que o Filho do homem sofra muitas coisas e
seja rejeitado pelos líderes religiosos, pelos chefes dos
sacerdotes e pelos mestres da lei, seja morto e ressuscite no
terceiro dia”.                                                                      Lucas 9:21-22

Temos que admirar Jesus. Na mesma conversa ele proibe os
discípulos de divulgarem que ele é o Messias, e os adverte em
detalhes de tudo que ele terá que sofrer. Aquele que devia ser
honrado e glorificado será ignorado e eventualmente morto de forma
brutal. Aqueles que mereciam ser julgados, os líderes religiosos,
vão continuar sendo honrados e respeitados. Por que Jesus fez isso?
Por que ele admitiu sofrer toda esta injustiça? Porque era a única
forma pela qual ele poderia alcançar seu objetivo - entregar sua
vida e pagar o mais alto preço exigido pelos nossos pecados. Não
importa o que fizermos, não há nada que Jesus não possa perdoar, a
não ser a recusa de acreditar no amor dEle. Isso sim nos coloca
além do alcance dEle. Isso sim consiste num pecado imperdoável, não
porque Jesus não quer perdoar, mas, porque nós não conseguimos
acreditar. Vendo o que Jesus fez, se você pode acreditar, então
você já está dentro do alcance da graça. Creia em Jesus e siga
adiante. O resto ele já fez.

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

honestidade

“E não nos cansemos de fazer bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não

houvermos desfalecido.” (Gálatas 6:9)



“Um príncipe, pretendendo se casar, resolveu fazer um concurso entre as moças do reino a fim de achar aquela que seria digna de se tornar sua esposa. Uma serva do palácio, quando soube disso, contou à sua jovem filha, pois sabia que ela nutria um sentimento especial pelo príncipe. A moça se dispôs a participar da competição, mesmo sabendo que dificilmente seria a escolhida, mas assim ficaria alguns momentos perto do príncipe. À noite, lá estava a simples jovem, e com ela as mais belas moças, vestidas das mais belas roupas e com as mais variadas intenções.
Então, o príncipe anunciou o desafio: - ‘Darei a cada uma de vocês uma semente. Aquela que, dentro de seis meses, me trouxer a mais bela flor, será escolhida minha esposa’. A doce jovem foi para casa cheia de esperança e cuidou da semente com todo amor e carinho. Mas apesar de usar todos os métodos de jardinagem que conhecia, passados os seis meses, nada havia brotado. Na hora marcada para a apresentação, a moça compareceu com seu vaso vazio, enquanto cada uma das demais pretendentes tinha uma flor mais bela do que a outra. Finalmente, chegou o momento esperado e o príncipe avaliou as pretendentes e suas flores com muito cuidado e atenção. Após passar por todas, uma a uma, ele anunciou o resultado e indicou a única jovem que estava sem flor como sua futura esposa. Os presentes tiveram as mais inesperadas reações. Ninguém compreendeu por que ele havia escolhido justamente aquela que nada havia cultivado. Então, calmamente o príncipe esclareceu: - ‘Esta foi a única que cultivou a flor que a tornou digna de se tornar uma rainha: a flor da honestidade, pois todas as sementes que entreguei às moças no início da competição eram estéreis’.”

A Bíblia diz que vale a pena ser honesto! Ainda que isto nos traga algum
prejuízo, nenhuma perda se compara ao bem estar de se colocar a cabeça no
travesseiro e dormir em paz e nada substitui a sensação de se estar vivendo
para agradar ao Eterno. Além do que, Ele certamente está atento a tudo que se faz debaixo do sol, e recompensará a cada um segundo as suas obras.

texto do jornal sabidinho (iec água da vida)