Google+ Followers

Igreja Evangélica Congregacional de Vila Mury

quinta-feira, 26 de março de 2015

a redenção vem

“Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra, as
nações estarão em angústia e perplexidade com o bramido e a
agitação do mar. Os homens desmaiarão de terror, apreensivos com o
que estará sobrevindo ao mundo; e os poderes celestes serão
abalados. Então se verá o Filho do homem vindo numa nuvem com poder e grande glória. Quando começarem a acontecer estas coisas,
levantem-se e ergam a cabeça, porque estará próxima a redenção de vocês”.                    
                                            Lucas 21:25-28












Estas palavras de Jesus não se referem à destruição de Jerusalém, mas, à segunda vinda do Senhor. O que sobreveio a Jerusalém é apenas uma amostra do que acontecerá com o mundo inteiro no juízo. Embora os sinais serão motivo de terror para alguns, para aqueles que esperam no Senhor serão sinais de júbilo e vitória. Enquanto este dia não chegar, se você sofre pelo nome de Cristo, se tem dias em que é difícil erguer a cabeça, Jesus está anunciando para você que o dia virá em que ele mesmo voltará para levantar seu semblante. Não será por causa dos seus atos ou esforços. Será pelo sacrifício dEle. Mas, ele deu sua vida por você, justamente para que os dias do seu sofrimento tenham um fim glorioso e um sentido eterno. Espere em Jesus. Confie nEle. O dia da redenção vem - e naquele dia você dirá a Jesus, sobre tudo que você passou - "Meu Senhor, valeu!"



hermeneutica

segunda-feira, 16 de março de 2015

3 peneiras

“Não andarás como mexeriqueiro entre o teu povo.”
(Levítico 19:16)

“Logo que foi transferido de setor, um funcionário quis fazer media com seu novo
chefe e o chamou num canto para dizer: - ‘Chefe, o senhor nem imagina o que me contaram a
respeito do Silva. Disseram que ele...’ Nem chegou a terminar a frase e o chefe, que era um homem coerente
e justo, o interrompeu: - ‘Espere um pouco. O que você vai me contar já passou pelo crivo das três peneiras’?
Surpreso, o funcionário perguntou: - ‘Peneiras? Que peneiras, chefe’? O chefe então explicou: - ‘Bem, a primeira
peneira é a da verdade. Você tem certeza de que isso que vai me contar é absolutamente verdadeiro’? O funcionário
respondeu: - ‘Não. Não tenho. O que sei é o que me contaram, mas eu acho que...’ Novamente foi interrompido pelo
chefe: - ‘Então sua história já vazou na primeira peneira. Vamos então à segunda, que é a peneira da bondade. O que
você vai me contar, se estivesse no lugar do Silva, gostaria que outros dissessem a seu respeito’? O funcionário, já sem
graça, disse: - ‘Claro que não! Deus me livre’. O chefe continuou: - ‘Então sua história vazou na segunda peneira
também. Vamos ver a terceira, que é a peneira da necessidade. Você acha mesmo necessário me contar esse fato? Eu
vou poder fazer algo a respeito’? O funcionário abaixou a cabeça e disse: – ‘Não, chefe. Analisando desta forma, não
sobrou nada do que eu iria contar’. O chefe então concluiu: - ‘Pois é, meu jovem, já pensou em como as pessoas
seriam mais felizes se todos usassem essas peneiras antes de sair por aí falando sobre a vida dos outros’?"
Creio que todos nós já tivemos problemas por causa de fofoca e maledicência, não é verdade? Alguém já
comparou fofoca com barata: ambas são imprevisíveis e sorrateiras, procedem da imundície e provocam repulsa. Da
barata podemos nos defender com inseticida, mas para a fofoca ainda não inventaram um antídoto à altura de seus
estragos. Quantas famílias já foram destruídas, quantas amizades desfeitas, quantos corações partidos por causa dessa
praga.
Talvez a única maneira de acabar com a língua fofoqueira seja acabar com o ouvido fofoqueiro. Em Provérbios
está escrito: “não havendo lenha, o fogo se apaga; não havendo mexeriqueiro, cessa a contenda.” Por isso, sempre que
surgir alguém querendo repassar um boato, submeta ao crivo das três peneiras: verdade, bondade e necessidade.
Alguém já disse com muita propriedade: “pessoas comuns falam sobre coisas, pessoas brilhantes falam sobre
ideias e pessoas medíocres falam sobre pessoas”.


Pr Géson Moura Martins

terça-feira, 10 de março de 2015

O QUE JESUS FARIA?

Pondo-se a vigiá-lo, eles mandaram espiões que se fingiam justos
para apanhar Jesus em alguma coisa que ele dissesse, de forma que o
pudessem entregar ao poder e à autoridade do governador. Assim, os
espiões lhe perguntaram: “Mestre, sabemos que falas e ensinas o que
é correto, e que não mostras parcialidade, mas ensinas o caminho de
Deus conforme a verdade. É certo pagar imposto a César ou não?” Ele
percebeu a astúcia deles e lhes disse: “Mostrem-me um denário. De
quem é a imagem e a inscrição que há nele?” “De César”, responderam
eles.Ele lhes disse: “Portanto, dêem a César o que é de César, e a
Deus o que é de Deus”. E não conseguiram apanhá-lo em nenhuma
palavra diante do povo. Admirados com a sua resposta, ficaram em
silêncio.
Lucas 20:20-26
Vemos logo a falsidade nas perguntas dos líderes religiosos dos dias de Jesus. Será que vemos com tanta facilidade os motivos misturados nas nossas perguntas? Já perguntou ao Senhor se deve aceitar algum emprego ou namorar alguém? Já pediu a sabedoria do alto para ver se deve comprar algum bem, aguardar um lançamento melhor ou investir o dinheiro? Será que Jesus, se pudéssemos ouvir a sua voz, não faria outras perguntas? Nós não estamos tentando apanhar Jesus em armadilhas. Mas, pode ser que o inimigo já nos apanhou numa cilada. Às vezes há outras opções para nosso tempo, nosso dinheiro e nossas vidas, opções que não enxergamos, ou que convenientemente deixamos de considerar. Peça a Jesus não só as respostas dEle, mas, também as perguntas que ele faria se estivesse em seu lugar. Considerando o preço que ele pagou por nós, o tempo, o dinheiro, e a vida toda não são mais "nossos", não é? O que será que Jesus faria?